domingo, 22 de junho de 2008

Santarém, 347 anos!

Em 22 de junho de 1661 chegou à aldeia o missionário João Felipe Bettendorf, que fundou a missão do Tapajós. A Fortaleza do Tapajós foi inaugurada em 1967 ( onde atualmente funciona o Colégio Frei Ambrósio). Em 1758 a aldeia foi elevada à categoria de Vila, e recebeu o nome de Santarém, homenagem a uma cidade lusitana. O autor do feito foi o General Governador da Província do Grão Pará, Francisco Xavier de Mendonça Furtado.

Somente no dia 24 de outubro de 1848, é que Santarém foi elevada à categoria de cidade, através da lei nº 145, promulgada por Jerônimo Francisco Coelho.

No século XVIII, a cidade já contava com comércio de produtos variados, o que intensificou a agricultura que era necessária para o comércio. A extração do látex também impulsionou o crescimento da cidade, já que foi bastante usado no automobilismo.

A pérola...
Santarém é conhecida como a Pérola do Tapajós. Em frente à cidade acontece o encontro das águas barrentas do
rio Amazonas com as águas azuis do rio Tapajós, num espetáculo de rara beleza.
É no município de Santarém que se localiza a vila de Alter-do-Chão, a aproximadamente 30 km da cidade. É uma vila balneária chamada de Caribe brasileiro, pelas praias belíssimas, o Lago Verde, a ilha do amor, lugares que atraem inúmeros turistas.

Mas não são apenas estas atrações que esta bela Cidade dispõe: existem ainda centenas de quilômetros de praias paradisíacas, rios e igarapés de água cristalina, cachoeiras e lagos. Entre elas, destacam-se:

-Praia Maracanã: É uma das praias mais próximas da cidade. Está a 6 km aonde se chega através do rio Tapajós. Possui barracas de alimentação.

-Ponta de Pedras: pode-se chegar a esta praia por via terrestre ou fluvial. Possui uma rara beleza, grande vegetação em suas proximidades e alguns locais para alimentação. -Praia Salvação: Seu acesso é feito pelo rio Tapajós ou por via terrestre, se autorizado pelos donos de terras que ficam próximas à praia.

...do Tapajós Em Santarém encontra-se a Cerâmica Tapajós que está dividida em dois tipos de vasos: o de gargalo e o de cariátides. Esta cerâmica é uma das mais antigas e, de tão perfeita, chega a ser comparada até mesmo com a mais fina porcelana chinesa. Existem peças da cerâmica Tapajós espalhadas por vários museus do mundo. Na cidade de Santarém encontra-se um pequeno legado dessas peças no Centro Cultural João Fona.



segunda-feira, 16 de junho de 2008

Água Vida inaugura biblioteca comunitária

Jorge Amado, Zélia Gattai, José de Alencar, maestro Isoca e tantos outros escritores de renome estiveram reunidos na derradeira sexta-feira na região do Eixo Forte. Mais precisamente na Vila do Cucurunã. Não é brincadeira. O mais interessante é que eles dividiram o espaço de um pouco mais de 4 metros ² com os comunitários que a partir desse dia passam a ter acesso direto à essas fontes de conhecimento e literatura. Os sonhos de melhoria na qualidade vida das comunidades abrigadas pela região do Eixo Forte são embarcados também pelas palavras a partir de agora.

A Biblioteca A primeira biblioteca da comunidade do Cucurunã foi inaugurada na sexta-feira, 13, com a participação dos estudantes, comunitários e parceiros da ação. Um dos pontos fortes desse trabalho é oferecer aos moradores das localidades do Eixo Forte a oportunizar pesquisas e incentivar o hábito da leitura.Segundo o supervisor da Emater e presidente da Associação Beneficente Água Vida, Paulo Sérgio, o espaço é um presente que a própria comunidade se deu.


“A biblioteca é um presente que a comunidade está recebendo e está se dando, porque os comunitários abraçaram o projeto e estão levando à diante”, diz Paulo Sérgio.
Sonhos O espaço é pequeno, mas cabe nele grandes escritores que os comunitários estão ansiosos para conhecer. A maioria dos livros conta a história da região e abordam estudos sobre a área rural. Para o líder comunitário Fernando Miranda a biblioteca deve servir também para orientar os produtores, tanto os da comunidade do Cucurunã, como da região do Eixo Forte. Ele afirma que muitas dúvidas poderão ser esclarecidas nos livros.

“A biblioteca vai orientar os produtores aqui do Cucurunã e também da região. Quem tiver dúvidas nas suas plantações, nós temos livros que podem contribuir para resolver esses problemas que acontecem”, diz Fernando Miranda.

Parceiras A idéia de uma biblioteca que pudesse atender essas comunidades nasceu de um intercâmbio entre a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará, o Grupo verde, o Instituto Cultural Boanerges Sena (ICBS) e a Associação Beneficente Água Vida. Outras instituições foram também agregadas e deram apoio à ação, como a Prefeitura de Santarém e outras associações que pertencem a comunidade do Cucurunã, desde a Associação de mulheres até a sociedade esportiva da comunidade.

"Nós estamos oferecendo aos comunitários uma ferramenta para eles alimentarem o espírito. Eles que só trabalham mais com a enxada, com o ancinho, com a foice arando a terra e vão ter a oportunidade também de trabalharem o espírito da leitura. Quem não ler não tem o que ensinar. Eles precisavam que seu espírito fosse estimulado a se desenvolver”, declarou o diretor do ICBS, Cristovam Sena.

Reconhecimento A Biblioteca Comunitária do Cucurunã recebeu o nome da professora Cilene Oliveira da Silva, um exemplo de dedicação na região do Eixo Forte. Ela começou como servente e ocupou vários cargos até chegar à diretoria da única escola que atende a comunidade, a Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Hoje ela é aposentada, mas não se afastou das atividades educacionais.

“Tudo nós tentamos fazer para melhorar. Eu tenho certeza que o que eu faço ainda é pouco e posso fazer ainda mais para melhorar a educação”, diz a homenageada.



Monitoria 82

>>Serviço:
1. A matéria foi publicada no portal Notapajós e exibida no Jornal Tapajós
2. Clique aqui e veja o convite para a inauguração da biblioteca

terça-feira, 10 de junho de 2008

Iº Seminário de Avaliação e Reprogramação do Projeto Nosso Igarapé

Acontece hoje o Iº Seminário de Avaliação e Reprogramação do Projeto Nosso Igarapé, desenvolvido nas 18 comunidades da região do Eixo Forte que sobrevivem da agricultura de subsistência, pesca, venda de frutas e artesanato.

A região é caracterizada principalmente pela existência de inúmeros igarapés que atravessam as comunidades e desembocam no Rio Tapajós, além de áreas naturais conservadas.

Para falar sobre os trabalhos realizados com moradores das comunidades o apresentar do jornal Bom Dia Santarém, da TV Tapajós (filiada da Globo), Carlos Silva, conversou com o Leonardo Bemergui, monitor da Novo Encanto em Santarém, uma das entidades parceiras do projeto.


Carlos Silva: Como nasceu o projeto Nosso Igarapé?

Leonardo: Esse projeto nasceu em 2006 com o intuito de recuperar os mananciais hídricos da região do Eixo Forte, que é a nossa área de atuação no município. Não se prendendo a essa área de atuação, estamos atuando na área urbana de Santarém, no Uruará, mas sempre com o foco na região do Eixo Forte. Como você bem falou, são 18 comunidades e estamos a princípio no Cucurunã, que é uma área bem degradada. Fizemos uma avaliação em 2006, um trabalho em 2007 de plantio de mudas e agora vamos retomar essas atividades juntamente com o Estado - na Penitenciária e com o município – Isam.

Carlos Silva: Quais foram os principais problemas encontrados por vocês no início dos trabalhos?

Leonardo: Primeiramente a falta de conhecimento por parte da população local, moradores e pessoas que utilizam o igarapé para lazer nos finais de semana, fazendo barragens, desmatando o igarapé. E também fazendo atividades de mineradoras na área, que são freqüentes e algumas sem licença ambiental. Essas são as principais, e também a pecuária extensiva na região.


Carlos Silva:
Há outros projetos em andamento na região?

Leonardo: Nós temos parcerias com Ong’s do setor, juntamente com o setor. Estamos agora com a avaliação do projeto Nosso Igarapé e nós estamos com a proposta de trabalhar com a Penitenciária unicamente, nessa fase, para liberarem a barragem que eles têm na região, que retêm a água do igarapé e diminui o seu fluxo. Mas para frente nós temos os trabalhos indiretos nessa área de recuperação. Que é a parte de educação ambiental com as crianças nos colégios da região para, juntamente com o trabalho técnico dá suporte para essa ambientação da área.

Carlos Silva: Quem vai ministrar essas palestras?


Leonardo: Essas palestras serão feitas pelos representantes das Ong’s subsidiadas pelo Isam. Tivemos um período desse trabalho de palestras com as escolas, mutirões de trabalhos com as crianças, incentivando e orientando sobre como que tem que ser feito o uso dos recursos da região.

Carlos Silva: Qual a atual situação da degradação na região?

Leonardo: Nos igarapés e lagos que nós conhecemos, nós temos um índice muito alto de degradação ambiental. Inclusive no Cucurunã, quem passa por lá não percebe, mas o igarapé diminuiu sem fluxo assustadoramente. Antigamente, regiões que tinham dois metros de profundidade do leito do igarapé, hoje nós encontramos um palmo, 10, 15 ou 20 cm. Isso se dá justamente pela extração de minerais as margens das nascentes, retirada da vegetação. Não só do ponto de vista ambiental, mas social também, é um dano ambiental fortíssimo pois o igarapé do Cucurunã abastece São Brás, que por sua vez abastece o lago do Juá, que é um berçário natural de peixes. E afeta Santarém inteiro, não só os moradores da comunidade.

“A questão da contaminação”, interrompe o entrevistador.


Leonardo:
Nós ainda não temos dados sérios que comprove. Mas a visualização, para quem conhece, já dá para perceber. Pela coloração da água. Nós podemos ver animais soltos na região as margens dos igarapés.

“Com a chuva é possível ver, que principalmente os igarapés que ficam as margens da Rodovia Everaldo Martins ultrapassam pelo asfalto e acabam prejudicando esses igarapés”, comenta o apresentador.

Leonardo:
Com certeza. Nós estamos querendo fazer agora um trabalho para comprovar essa contaminação do igarapé. Nós não podemos iniciar um problema maior sem ter a comprovação em papel.

Carlos Silva: Quais são os trabalhos e conscientização que vocês realizam?

Leonardo: Nós realizamos palestras e inclusive estivemos parados agora justamente por mudar o foco do Eixo Forte para o Irurá. Mas agora nós vamos voltar com esse trabalho de conscientização. Nós também fazemos seminários e tivemos uma semana Agro-ecológica no ano passado, onde surgiu algumas propostas e parceiras maiores, justamente focando as crianças, as escolas. Porque é a partir da criança educada que teremos um adulto cidadão bem mais educado também.

Carlos Silva: Como a população reage à esse trabalho de conscientização???

Leonardo: A população na maioria das vezes já conhece alguma coisa a respeito. Mas não tem o incentivo, muitas vezes do governo, para continuar esse trabalho e ficar mais esclarecido. Então, nós com essa parceira com o Isam, estamos querendo expandir essa percepção ambiental para todas as classes da população.


Iº Seminário de Avaliação e Reprogramação do Projeto Nosso Igarapé

Programação:

08:00 h - Abertura
09:00 h - Resgate histórico do problema (Grupo Verde);
09:30 h - Diagnóstico da situação (Novo Encanto);
10:00 h - Ações realizadas em 2007/2008 (ISAM);
10:30 h - Programação para 2008/2009 (trabalho em grupos);
11:00 h - Plenária;
12:00 h - Encerramento com almoço de confraternização.
*Clique na segunda imagem e assista a entrevista na íntegra.

Entrevista no Bom Dia Santarém

video

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Natureza Gentil

O Dia mundial do Meio Ambiente foi designado pela assembléia das Nações Unidas com o intuito de sensibilizar a opinião pública para a necessidade de se proteger e valorizar o meio ambiente. É comemorado no dia cinco de junho e estendido por toda a respectiva semana. Na semana mencionada a Associação Novo Encanto promoveu atividades como forma de homenagear a natureza, mas também como um alerta à problemática ambiental.

Dando continuidade a parceria com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente-SEMA, no dia cinco de junho a Novo Encanto participou do lançamento do Programa Estadual de Educação Ambiental.

O evento foi realizado no Parque Ambiental de Belém com a presença da Governadora do Estado, Ana Júlia Carepa, o secretariado do governo e outras autoridades. Em seguida foi realizado o semeio de mil sementes com os alunos das escolas do entorno do Parque Ambiental de Belém.

No dia sete de junho foi realizado o Teatro de Fantoches apresentando o Musical "Natureza Gentil". A peça encenada pelas crianças e os Jovens do Pré-Núcleo Príncipe Ram traz em sua mensagem a importância da preservação do meio ambiente e o amor à natureza.



Conceição Baía
14ª Região

quinta-feira, 5 de junho de 2008

“Olhares sobre a Amazônia”

A Semana do Meio Ambiente é um evento que faz parte da agenda das diversas instituições que atuam no município de Santarém, através do PREÁ/Tapajós que articula a educação ambiental desde o ano de 2001.

Com espírito de integração, as instituições governamentais e não-governamentais, objetivando festejar, informar e sensibilizar a população santarena, reúnem-se para construir a agenda alusiva ao dia do Meio Ambiente.


Este ciclo festivo se renova a cada ano, adaptando e recriando sua interação com o público santareno através de oficinas lúdicas, palestras, exposições, debates, troca de experiências, atrações culturais, lançamento do selo ambiental, ou seja, diversos meios que sensibilizem e motivem a sociedade à prestar auxílio em relação as questões ambientais.


Dentro deste contexto, os acadêmicos do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental na Amazônia – V semestre, promoveram um evento convidando a todos os acadêmicos, professores, instituições governamentais e não-governamentais, movimentos sociais e a sociedade civil para fazerem parte deste movimento global, para que, juntos possamos agir em defesa da Amazônia. O evento realizado é parte integrante da III Semana do Meio Ambiente do Instituto Esperança de Ensino Superior – IESPES, que tem como tema: “Olhares sobre a Amazônia”.


Dentre as apresentações da noite, destacaram-se as pesquisas de campo dos acadêmicos dos cursos de Comunicação Social/Jornalismo, Turismo e Processos Gerenciais, realizados no decorrer da disciplina Realidade Sócio-Ambiental da Amazônia e a mesa redonda intitulada: “O Mercado de Trabalho e o Profissional da Área Ambiental” sob a responsabilidade dos acadêmicos do V semestre do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental na Amazônia, que contou com a participação de mestres e doutores de diversas áreas ambientais, assim como empresários e lideranças governamentais.

Leonardo Bemergui, monitor da Novo Encanto e membro da Comissão Organizadora do Evento.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Novo Encanto em ação

A Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico participou da IV Semana dos Alimentos Orgânicos realizada no período de 27 a 31 de maio em Belém, Pará. Durante a semana foi realizada uma campanha nacional para esclarecimento dos consumidores sobre o que são os produtos orgânicos, abordando os benefícios ambientais, sociais e nutricionais desses produtos. Além de estimular o seu consumo.

A campanha foi desenvolvida através de uma parceria entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o apoio das 22 organizações governamentais e não governamentais que compõem a Comissão da Produção Orgânica no Pará-CPOrg-PA, da qual a Novo Encanto participa tendo o sócio Henrique Cattanio como titular e Ronei Pizate como suplente.

A IV Semana do Alimento Orgânico foi aberta oficialmente pelo Superintendente Federal de Agricultura juntamente com Secretário de Estado de Agricultura em um coquetel para a imprensa. No decorrer da semana foram desenvolvidas palestras e uma mesa redonda na UFRA-Universidade Federal Rural da Amazônia, promovida pela Associação Agroecológica Iara. Ainda durante a semana o consumidor teve a oportunidade de degustar as redes de supermercados de Belém receitas e saladas elaboradas com produtos orgânicos.

A IV Semana do Alimento Orgânico concluiu com uma feira livre de produtos orgânicos na Praça Batista Campos, no dia 31 de maio. A Novo Encanto participou com uma barraca de exposição e venda dos seus produtos: Camisas, sacolas sustentáveis, sabão ecológico, fitoterápicos, incenso de breu, saches perfumados de caroço de açaí e colônia de ervas perfumadas da Amazônia. A barraca recebeu visitas ilustres dentre os quais o Secretário de Agricultura, técnicos da Sagri, Secon, Emater. Entre tantos visitantes que apreciaram e adquiriram nossos produtos. Estiveram presentes trabalhando na Barraca os Encantados Henrique Cattanio, Delman Gonçalves, Conceição Baía, Adenauer, Tayane, Ronnei e Merinalva Vilhena.


Gratidão


Expresso aqui meus agradecimentos a estes colaboradores, lembrando que esta é uma boa forma de dar visibilidade a Novo Encanto em nossa cidade.



Divulgação

A ação também foi divulgada nos sites da ORM, Fórum do Consumidor, Portal do Agronegócio, entre outros.




Conceição Baía
Monitora da 14ª Região